quarta-feira, 20 de abril de 2016

Web Novela - ''Destinos Cruzados'' 46º CAPÍTULO


Sexta - Feira - 29 de Fevereiro - 13:00.

Pov Lua On'
Finalmente chegou o dia da cirurgia do Arthur. A semana passou rápido, e tentei distraí-lo o máximo para que ele não ficasse pensando nisso e alimentando esperanças. 
Por mais repentina que tenha sido essa paixão louca entre eu e Arthur, eu sinto que as coisas estão melhores agora do que quando eu estava com Diego. Arthur e eu somos feitos um para o outro, nos conhecemos ainda mais porque eu praticamente morei no hospital nesta última semana.
Minha família ainda não conhecia Arthur, só a Soph conhecia, e aliás, ela e o Mica estavam se dando muito bem também.
Diego não me procurou mais, graças a Deus. Acho que ele viu que eu to feliz e vai me deixar seguir em frente.
Estava sentada na recepção do hospital, Arthur havia acabado de sair para a cirurgia, confesso que estou muito apreensiva e ansiosa. Não vejo a hora de saber o resultado e ver aqueles olhos mais lindos.
Pov Lua Off'

Pov Narradora On'
Enquanto Lua esperava ansiosa na recepção, a cirurgia acontecia.
Era uma cirurgia difícil, os melhores médicos estavam naquele bloco cirúrgico com uma só finalidade: fazer Arthur andar novamente.
Após longas 12 horas de cirurgia, já quase no fim desta, Arthur tem duas paradas cardíacas, seguidas de uma complicação na pressão intracraniana.
Pov Narradora Off'

Pov Lua On'
Já passava de 1 da manhã e os médicos não apareciam, eu já tinha comido todas as minhas unhas de nervoso, nem comer eu conseguia, e quanto mais o tempo passava, mais nervosa eu ficava, até que um médico, que levou Arthur para o centro cirúrgico, apareceu. Fui logo ao encontro dele, que não tinha uma boa expressão no rosto.
Lua: Doutores, como está o Arthur?
XXXX: Você é a namorada dele, certo? Onde estão os familiares dele?
Lua: Sim, eu sou, eles foram à cafeteria, mas me diga, como ele está?
XXXX: Preciso da família dele aqui também, o caso do Arthur é grave.
Kátia: Arthur? O que houve com meu filho? Onde ele está? - a mãe dele chegou e já se desesperou ao ouvir o nome do filho.
XXXX: Lamento informar, mas houve uma complicação cirúrgica bem no fim da cirurgia, Arthur sofreu duas paradas e no fim, a pressão intracraniana aumentou. Seu filho está em coma. - eu não poderia estar ouvindo aquilo mesmo. MEU DEUS! Eu e Kátia entramos em desespero, não sabíamos o que dizer, só nos abraçamos.
XXXX: Lamento muito pela notícia. Ele estará em observação, a qualquer momento poderemos dar novas notícias. Precisamos ver quando ele acordará, e se houve alguma sequela.
Lua: E se ele não acordar doutor? - dizia em meio a soluços.
Kátia: Ele vai acordar, não vai doutor?
XXXX: Senhoras, preciso que se acalmem. O caso é complicado, não podemos saber se ele vai ou não acordar. Por isso, ficará em observação. Não posso fazer uma comparação dos casos que já tratei, pois essa cirurgia é uma inovação e não aconteceu isso nas outras poucas vezes em que foi feita. Mas se acalmem, observaremos Arthur durante todo o tempo e esperamos em breve, ter boas notícias para dá-las. Se quiserem vê-lo, sigam-me. Não se assustem, há muitas máquinas ligadas a ele, mas é para seu bem e sua recuperação. - e então seguimos o doutor, eu estava com a cabeça na Lua, não podia acreditar naquilo, até ver Arthur, deitado naquela cama, cheio de aparelhos, aí sim, quando vi, a ficha caiu e me desesperei ainda mais.

Veja só como a vida é injusta. Conheci Arthur em um acidente. Me apaixonei. Mal começamos a dar certo e isso tudo acontece. Isso tudo é demais para mim. Estou atordoada com tudo e não sei o que fazer. Deveria rezar, e pedir para que Deus cuide dele e que ele não me deixe, mas no momento, tudo que eu consigo fazer é chorar e chorar.
E pensar que isso tudo é minha culpa. Ele era uma pessoa deficiente, porém se virava, tinha uma vida. Eu cheguei na vida dele, o deixei mais deficiente, ofereci recursos para ele se curar, me envolvi e agora isso acontece. Talvez se eu não tivesse atrapalhado tanto a vida dele, hoje ele estaria bem, paraplégico porém vivo, respirando sozinho, se virando.
Ver Arthur naquela cama, cheio de aparelhos, respirando por aparelhos, sem se mexer, sem abrir os olhos me deixava mais angustiada.
Pov Lua Off'


Domingo - 09 de Março - 08:00.

Pov Lua On'
Já havia se passado 9 dias desde a cirurgia de Arthur, ele não tinha acordado ainda, e a cada dia que passava eu me sentia mais culpadas e mais impotente por não poder fazer nada para ajudá-lo.
Sua família estava arrasada, precisavam trabalhar mas ficavam com a cabeça no hospital, me ligavam o tempo todo para saber se ele havia acordado. Afinal, agora sim eu estava ''morando'' mesmo no hospital, saía 2 horas por dia apenas para ir em casa e tomar banho. Já tinha emagrecido 4kg, não comia direito e só sabia chorar e rezar para que Arthur ficasse bem.
Segurava as suas mãos, mais frias que quentes, e chorava implorando para que ele acordasse.
Lua: Meu amor, eu sei que você pode me ouvir, volta pra mim volta, volta pra sua família, estamos te esperando, volta pra gente Arthur, volta.

E essas eram minhas palavras durante todo o dia, eu repetia, repetia, repetia, chorava, chorava e chorava. Sabia que em algum momento, ele voltaria pra mim. Não é possível que ele só teria entrado na minha vida pra isso, pra acabar em cima de uma cama, sem nem conseguir respirar sozinho, e tudo isso por minha culpa. MINHA CULPA!
Pov Lua Off'









CONTINUA....

Um comentário:

Paulo Roberto disse...

Aí. Meu. Deus. Continuaaaaaaaaaaaa se n eu vou morrer de tanta agonua 😭💝 p.s: meu nome é Rebeca mas tonna conta do meu pai 😘